Verificação de Desempenho de Sistemas de Barreira Estéril Hidrofóbicas x Hidrofílicas/Hidrofóbicas

O objetivo deste trabalho realizado por Fernando Bustamante em parceria com a Medclean, como já apresentado na publicação anterior, foi conduzir um teste comparativo das Embalagens Hidrofílicas/Hidrofóbicas com outras disponíveis no mercado, e desenvolver um Protocolo de Testes que pudesse ser aplicado em qualquer instituição, de forma a verificar a existência de umidade dentro dos pacotes após esterilização a vapor.


Embalagem Hidrofílica/Hidrofóbica após Testes



Embalagem Hidrofóbica após Testes



Qual a importância deste estudo comparativo para os procedimentos de esterilização segura?


Conforme referenciado nas práticas recomendadas para a Esterilização no Ambiente Operatório, a AORN (Association of periOperative Registered Nurses - EUA) faz a seguinte recomendação, no que diz respeito a esterilização por vapor saturado sob pressão:


"Quando superfícies quentes e frias entram em contato, há condensação na parte interna e externa da embalagem. Ao final do ciclo de esterilização por vapor e após tempo de secagem apropriado, os itens podem ainda conter vapor. O manuseio das embalagens neste estágio vulnerável poderá comprometer as propriedades de barreira da embalagem, fazendo com que a umidade e/ou contaminantes penetrem no interior do pacote. Quando for observada a presença de condensação no pacote, os artigos contidos nele deverão ser considerados não estéreis e não poderão ser utilizados"


Segundo a AAMI (Association for the Advancement of Medical Instrumentation - EUA), caso se observe ‘pacotes molhados’, estes não deverão ser liberados, devendo obrigatoriamente ser reprocessados de forma a garantir que o excesso de umidade/condensação não ocorra. Os artigos deverão ser re-embalados (inclusive a embalagem externa) e os indicadores químicos substituídos por novos.


Em função deste problema, detectado por usuários das mais diversas localidades e apontado pelas principais instituições normativas do setor, surgiu o conceito do sistema de barreira estéril hidrofílico/hidrofóbico, que atua de forma a dissipar a umidade e o calor do pacote durante a fase de secagem do processo de esterilização (folha hidrofílica), mantendo as propriedades de barreira microbiana (folha hidrofóbica). Os laudos comprobatórios de barreira microbiana são realizados em laboratórios analíticos habilitados, segundo critérios estabelecidos na Norma ABNT NBR ISO/IEC 17025 - Boas Práticas de Laboratórios (BPL) e a Norma ABNT NBR ISO/IEC 17043 - Requisitos Gerais para Ensaios de Proeficiência.


Com o objetivo de comparar e validar o desempenho dos Sistemas de Barreira Estéril escolhidos, este estudo foi desenvolvido e testado em 3 instituições em São Paulo e no Rio Grande do Sul.


Dois critérios de avaliação foram levados em consideração para verificar a presença de umidade após a esterilização:

- Variação de Peso do Pacote-Teste,

- Inspeção Visual do Pacote-Teste.


Todos os resultados foram registrados conforme estabelecido no Protocolo de Testes, e demonstram de forma conclusiva, expressiva diferença de desempenho entre os produtos testados, evidenciada em pesagem do pacote-teste antes e depois da esterilização, e visualmente com fotos.


Assista aqui a palestra, acesse aqui o Protocolo de Testes, e aqui o Relatório de Conclusão da avaliação.


Para obter mais informações a respeito das Embalagens Hidrofílicas/Hidrofóbicas, acesse www.medclean.com.br.


Posts Destacados
Posts Recentes
Procure por Tags
Nenhum tag.
Siga
  • Facebook Long Shadow
  • YouTube Social  Icon